Archive for Fevereiro 2017

Anjos em batalha espiritual

sexta-feira, 24 de fevereiro de 2017
Posted by FrTutorial no Brasil
Anjos em batalha espiritual

Uma outra passagem cm Apocalipse que merece destaque é a que descreve uma batalha no céu entre Miguel e seus anjos, contra o dragão e seus anjos, onde Satanás é derrotado e lançado á terra (Ap 12.7-9). A que evento histórico esta guerra celestial corresponde tem sido bastante discutido. Para alguns, refere-se á queda de Satanás no principio, quando revoltou-se contra Deus e foi expulso dos céus. Para outros, a vitória final de Cristo, ainda por ocorrer no fim dos tempos. 0 contexto, entretanto, parece favorecer outra interpretação, ou seja, que esta derrota de Satanás nas regiões celestiais corresponde à vitória de Cristo, ao morrer e ressuscitar, já que ela aconteceu, "por causa do sangue do cordeiro" (Ap 12. 10; cf. Jo 12.3 1; 16.1 l).À semelhança do Antigo Testamento, o Novo é igualmente reservado em narrar estas pelejas celestiais, e limita-se a registrar dois confrontos do arcanjo Miguel com Satanás (Jd 9; Ap 12.7-9). Não temos condições de saber quais as razões para estes embates entre anjos, e nem quão freqüentemente eles ocorrem no misterioso mundo celestial.

Digno de nota é o fato que Miguel, que no Antigo Testamento aparece como guardião de Israel, surge
aqui em Ap 12.7-9 como defensor da Igreja, liderando as hostes angélicas contra Satanás e seus demônios, que procuram destruir a obra de Deus. Sua área de ação não e mais o território de Israel, mas o mundo, onde quer que a Igreja esteja. A constatação deste fato deveria moderar a fascinação de muitos hoje pela idéia de espíritos territoriais, maus ou bons, que seriam supostamente responsáveis por determinadas regiões geográficas, e que se embatem em busca da supremacia sobre aqueles locais. É possível que as nações ou outras regiões tenham seus príncipes angélicos, bons ou maus, mas esta idéia não exerce qualquer função ou influência no ensino do Novo Testamento, quanto aos anjos e á sua participação na luta da igreja contra os "principados e potestades, contra os dominadores deste mundo tenebroso" (Ef 6.12). Enquanto que em Daniel os principados e as potestades aparecem relacionados com determinados territórios, no Novo Testamento eles aparecem não mais relacionados com regiões, mas com este mundo tenebroso. 0 conflito regionalizado do Antigo Testamento tomou caráter universal e cósmico com a vitória de Cristo. 0 diabo e seus príncipes malignos são vistos agora como dominadores, não de determinadas regiões geográficas, mas "deste mundo tenebroso". E os anjos agora servem aos servos de Deus, em qualquer região geográfica do planeta, onde se encontrem.

Notas de rodapé
1 Ver E. Earle Ellis, Spiritual GIffs in the Pauline Community, em New Testment Studies 20 (1973-1974) 134.
2 Existe séria dúvida da parte de muitos especialistas em manuscritologia bíblica de que a passagem de João 5,4, que menciona a decida de um anjo para mover a água da piscina de Betesda, seja de fato autêntica, visto que não aparece nos manuscritos mais antigos importantes.

3 Neuza ltioka, por exemplo, afirma que os anjos das cartas de Apocalipse (Ap 2-3 são anjos literais que Incorporam e absorvem o estado espiritual da Igreja, e que alguns deles são substituídos por demônios, devido á decadência espiritual da comunidade que representam.  Ap 2-3, cf. A Igreja e a Batalha Espiritual: Você Está Em Guerra em Série Batalha Espiritual 

Origem e Sentido da Palavra Sacramento

Posted by FrTutorial no Brasil
OS SACRAMENTOS EM GERAL.
1. Origem e Sentido da Palavra Sacramento.

A Palavra Sacramento não se encontra na Escritura.… derivada do termo latino sacramentum, que originariamente denotava uma soma de dinheiro depositada por duas partes em litígio. Após a decisão da corte, o dinheiro da parte vencedora era devolvido,enquanto que a perdedora era confiscada. Ao que parece, isto era chamado sacramentum porque objetivava ser uma espécie de oferenda propiciatória aos deuses.

A transição para o uso cristão do termo deve ser procurada :

a) no uso militar do termo, em que e notava o juramento pelo qual um soldado prometia solenemente obediência ao seu comandante, visto que no batismo o cristão promete obediência ao seu Senhor, e
b) no sentido especificamente religioso o termo adquiriu quando a Vulgata o empregou para traduzir o grego mysterion. É possível que este vocábulo, grego fosse aplicado aos sacramentos por terem eles uma tênue semelhança com alguns dos mistérios das religiões gregas.

Na Igreja Primitiva a palavra sacramento era empregada primeiramente para denotar todas as espécies de doutrinas e ordenanças. Por esta mesma razão, alguns se opuseram ao nome e preferiam falar em sinais, selos ou mistério.Mesmo durante e imediatamente apos a Reforma muitos não gostavam do nome sacramento.Melanchton empregava signi, e tanto Lutero como Calvino achavam necessário chamar a atenção para o fato de que a palavra sacramento não é empregada em seu sentido original na teologia. Mas o fato de que a palavra não se encontra na Escritura e de que não é utilizada em seu sentido original quando aplicada às ordenanças instituídas por Jesus,não tem por que dissuadir-nos, pois muitas vezes o uso determina o sentido de uma palavra.Pode-se dar a seguinte

definição de sacramento,Sacramento é uma santa ordenança instituída por Cristo, na qual, mediante sinais perceptíveis, a graça de Deus em Cristo e os benefícios da aliança da graça são representados, selados e aplicados aos crentes, e estes por sua vez, expressam sua fé e sua fidelidade a Deus.


2. Partes Componentes do Sacramento.

(a) O Sinal Externo ou Visível.

O objeto externo do sacramento inclui, não somente os elementos que se usam, a saber, água, pão e vinho, mas também o rito sagrado,aquilo que se faz com estes elementos. Segundo este ponto de vista externo, a BÍBLIA denomina os sacramentos sinais e selos (Gn 9:12,13;17:11; Rm 4:11).
(b) A Graça Espiritual Interna,Significada e Selada.

Esta é variada mente indicada na Escritura como aliança da graça (Gn:9:12,13; 17:11), justiça da fé (Rm 4:11), perdão dos pecados (Mc 1:4),Mt 26:28), fé e conversão (Mc 1:4;16:16), comunhão com Cristo em Sua morte e ressurreição (Rm 6:3), e assim por diante.

Os católicos romanos a vêem na graça santificante acrescentada à natureza humana. Capacitando o homem a praticar boas obras e a subir às alturas da Visio Dei (Visão de Deus). Os sacramentos não significam meramente uma verdade geral, mas uma promessa dada a nós e por nós aceita, e servem para fortalecer a nossa fé com respeito, á realização dessa promessa, (Gn 17:1-14 ; x 12:13 ; Rm 4:11-13). Eles representam visivelmente e aprofundam a nossa consciência das bênçãos espirituais da aliança, da purificação dos nossos pecados e da nossa participação na vida que há em Cristo (Mt 3:11; Mc 1:4,5; 1Co 10:2,3,16,17; Rm 2:28,29;6:3,4; Gl 3:27. Como sinais e selos, eles são meios de graça, isto é, meios

pelos quais se fortalece a graça interna produzido no coração pelo Espírito Santo.c) União

Sacramental Entre o Sinal e Aquilo que é Significado - Geralmente se lhe chama formas sacramenti, forma dos sacramentos (forma significando aqui essência). Conforme este conceito, o sinal externo torna-se um meio empregado pelo Espírito Santo na comunicação da graça divina. A estreita relação existente entre o sinal e a coisa significada explica o emprego daquilo que geralmente se chama linguagem sacramental, na qual o sinal é mencionado em lugar da coisa significada, ou vice-versa, (Gn 17:10; At 22:16 ; 1 Co 5:7).3. Necessidades dos Sacramentos - Os Católicos Romanos afirmam que o batismo é absolutamente necessário para todos, para a salvação, e que o sacramento da penitência é igualmente necessário para aqueles que cometeram pecado mortal depois do batismo; mas que a confirmação, a eucaristia e a extrema unção são necessárias somente no sentido de que foram ordenadas e são eminentemente úteis. Por outro lado, os protestantes ensinam que os sacramentos não são absolutamente necessários para a salvação, mas são obrigatórios em vista do preceito divino. A negligência voluntária do seu uso redunda no empobrecimento espiritual e tem tendência destrutiva, precisamente como acontece em toda desobediência persistente a Deus.


Que não são absolutamente necessários para a salvação, segue-se :

(a) do caráter espiritual e livre da dispensação do Evangelho, na qual Deus não prende a Sua graça ao uso de certas formas externas (Jo 4:21,23 ; Lc 18:14; 9 ),
(b) do fato de que a Escritura menciona unicamente a fé como condição instrumental da salvação ( Jo 5:24 ; 6:29 ; 3:36; At 16:31),
(c) do fato de que os sacramentos não originam a fé, mas a pressupõem, e são ministrados onde se supõe a existência da fé (At 2:41;16:14,15,30,33 ; 1Co 11:23-32 ; e
(d) do fato de que muitos foram realmente salvos sem o uso dos sacramentos.

Pensemos nos crentes anteriores ao tempo de Abraão e no ladrão penitente na cruz. Os sacramentos do Velho e do Novo testamento são a circuncisão e a páscoa são atribuídas à igreja do Novo Testamento, ( 1 Co 5:7 ; Cl 2:11 ), e o batismo e a Ceia do Senhor à igreja do Velho Testamento,(1 Co 10:1-4).No Novo testamento Ele procura base bíblica para a confirmação em (At 8;17 ;14:22; 19:6; Hb 6:2); para a penitencia em (Tg 5:16) ; para a ordenação em (1 Tm 4:14, 2Tm 1:6 )para o matrimonio em (Ef 5:32) ; e para extrema unção em ( Mc 6:13; Tg 5:14).

O PODER DA IGREJA.

1. A Fonte do Poder da Igreja.

Jesus Cristo não somente fundou a Igreja, mas também a revestiu do necessário poder ou autoridade.

Ele mesmo falou da igreja como fundada tão solidamente sobre uma rocha que as portas do inferno não prevaleceria contra ela, (Mt 16:18), e na mesma ocasião exatamente a primeira em que ele fez menção da igreja... também prometeu dotá-la de poder,quando disse a Pedro : Dar-te-ei as chaves do reino dos céus: o que ligares na terra, terá sido ligado nos céus e o que desligares na terra, terá sido desligado nos céus (Mt 16:19).

A igreja de todos os séculos é ligada pela palavra deles, (Jo 17:20 ;1 Jo 1:3). Que Cristo deu poder á Igreja em geral,È muito bem evidenciado por várias passagens do Novo Testamento, quais sejam : (At 15:23-29;16:4 ; 1 Co 5:7,13; 6:2-4 ; 12:28 ; Ef 4:11-16).2. A Natureza deste Poder - 1 - Poder Espiritual - … um poder espiritual porque é dado pelo Espírito de Deus (At 20:28), só pode ser exercido em nome de Cristo e pelo poder do Espírito Santo (Jo 20:22,23 ;1 Co 5:4) pertence exclusivamente aos crentes (1Co 5;12), È e só pode ser exercido de maneira moral e espiritual ( 2 Co 10:4).

2 - Poder Ministerial.

È copiosamente evidente na Escritura que o poder da Igreja não é um poder independente e soberano
(Mt 20:25,26 ; 23:8,10; 2 Co 10: 4,5; 1 Pe 5;3),mas, sim, uma diakonia leitourgia, um poder ministerial (de serviço), (At 4:29,30;


20:24 ; Rm 1:1),derivado de Cristo e subordinado à sua autoridade soberana sobre a igreja (Mt 28:18). Deve ser exercido em harmonia com a Palavra de Deus e sob a direção do Espírito Santo, por meio de ambos Santos os quais Cristo governa a sua Igreja, e em nome do próprio Cristo como o Rei da Igreja (Rm 10:14,15 ; Ef 5:23 ; 1 Co 5:4). Todavia, È um poder muito real e abrangente, que consiste na administração da Palavra e dos sacramentos, (Mt 28:19), na determinação do que é e do que não é permitido no reino de Deus, (Mt 16:19), no perdão e na retenção do pecado ( Jo 20:23), e no exercício da disciplina na igreja ( Mt 16:18; 18:17 ; 1 Co 5:4 ; Tt 3;10 ; Hb 12:15-17).

3. Diferentes espécies do Poder Eclesiástico.

Em conexão com os três ofícios de Cristo, há também um poder tríplice na igreja, a saber, o poder
dogmático ou docente ( potestas dogmática ou docendi), o poder de governo ou de ordem ( Potestas gubernans ou ordinans), do qual o poder de julgamento ou de disciplina ( potestas iudicans ou disciplinae), È uma subdivisão, e o poder ou ministério da misericórdia( potestas ou ministerium misericordiae).

a) Potestas Ordinans.: Deus não é de confusão; e,sim, de paz.(1 Co 14:33).

b) Potestas iudicans.:
A Potestas Iudicans È o poder exercido para proteger a santidade da igreja, admitindo os aprovados após exame, e excluindo os que se desviam da verdade ou levam vidas desonradas. Este poder é exercido especialmente em questões de disciplina.

Os Oficiais da Igreja
Podem distinguir diferentes classes de oficiais na igreja. Uma distinção muito geral é a de oficiais ordinários e extraordinários.

1. Oficiais Extraordinários (a ) Apóstolos :

Estritamente falando, este nome só é aplicável aos doze escolhidos por Jesus e a Paulo ; mas também se aplica a certos homens apostólicos que assessoraram a Paulo em seu trabalho e que foram dotados de dons e graças apostólicas, (At 14:4,14 ; e Co 9:5 ; 6; 2 Co 8:23 ; Gl 1:19). Os apóstolos tinham a incumbência especial de lançar os alicerces da igreja de todos os séculos. Somente através da sua palavra È que os crentes de todas as eras subsequentes tem comunhão com Jesus Cristo. Daí, eles são os apóstolos da Igreja dos dias atuais, como também o foram da Igreja Primitiva.
Eles tinham certas qualificações especiais.

(a) Foram comissionados diretamente por Deus ou por Jesus Cristo (Mc 3:14 ; Lc 6:13 ; Gl 1:1 ;
(b) eram testemunhas da vida de Cristo e, principalmente, de Sua ressurreição, (Jo 15:27 ; At 1:21,22 ; 1 Co 9:1);

(c) estavam cônscios de serem inspirados pelo Espírito de Deus em todo o seu ensino, oral e escrito,(At 15:28 ; 1Co 2:13 ; 1 Ts 4:8 ; 1 Jo 5: 9-12 ;
(d) tinham o poder de realizar milagres e o usaram em diversas ocasiões para ratificar a sua mensagem, (2 Co 12:12 ; Hb 2:4),e
(e) foram ricamente abençoados em sua obra, como sinal de que Deus provavam os seus labores (1 Co 9; 1,2 ; 2 Co 3:2,3 ; Gl2:8).
b) Profetas :

O Novo Testamento fala também de profetas (At 11:28 ; 13:1,2 ; 15:32; 1Co 12:10;13:2 ; 14:3 ; Ef 2:20 ; 3:5 ; 4:11; 1

Tm 1:18 ; 4:14; Ap 11:6).

C) Evangelistas :

Em acréscimo a apóstolos e profetas, são mencionados evangelistas da BÍBLIA (At 21:8 ; Ef 4:11 ; 2 Tm 4:5). Felipe, Marcos,Timóteo e Tito pertenciam a esta classe. Seu trabalho era pregar e batizar, mas incluía também a ordenação de presbíteros (Tt 1:5 ; 1 Tm 5:22),e o exercício da disciplina ( Tt 3:10).

2. Oficiais Ordinários.

a) Presbíteros
Dentre os oficiais comuns da igreja, os presbyteroi (presbíteros) ou episkopoi (bispos) são os primeiros na ordem de importância. Os primeiros nomes significam simplesmente anciãos, ou mais velhos e o último, supervisores ou superintendentes. O termo presbyteroi é empregado na Escritura para denotar homens idosos, e para designar uma classe de oficiais um tanto parecidos com a que exercia certas funções na sinagoga. Como designativo de oficio, aos poucos o nome foi eclipsado e até sobrepujado pelo nome episkopoi. Os dois termos são frequentemente empregados um pelo outro (At 20:17,28 ; 1 Tm 3:1 ; 4:14 ; 5:17,19 ; Tt 1:5,7 ; 1Pe 5:1,2. Os presbyteroi são mencionados pela 1 vez em At 11:30. Freqüente menção é feita a eles no livro de (Atos 14:23 ; 15:6,22; 16:4 ; 20:17,28;21:18 ; Tg 5:14 ; Hb 13:7,17, Rm 12:8 ; 1 Ts 5:12 ;1 Co 12:28; Hb 13:7,17,24 ; Ef 4:11).
b) Mestres.

O ensino, a docência ligou-se mais e mais estreitamente ao oficio episcopal; mas, mesmo então, os
mestres não constituíram uma classe separada de oficiais. A declaração de Paulo em Ef 4:11, de que o Cristo assunto também dera à igreja pastores e mestres; mencionados como uma única classe, (1 Tm 5:17 ; Hb 13:7 ; 2 Tm 2:2 ; Tt 1:9 ; Ap2:1,8,12,18 ; 3: 1,7,14).c - Diáconos - alem dos presbyteroi, são mencionados os diakonoi no novo testamento,(Fp 1:1 ; 1 Tm 3:8,10,12 ; At 6:1-6 ;At 11:30 ; At 11:29 ; Rm 12:7 ; 2 Co 8:4 ;9:1,12,13; Ap 2:19 ; 1 Tm 3:8 - 10,12).

A Doutrina da Igreja durante e após a Reforma.

(a) Durante o período da Reforma.

Os reformadores romperam com a concepção católica romana da igreja, mas tiveram diferenças entre si nalgumas particularidades.A idéia de uma igreja infalível e hierárquica,e de um sacerdócio especial que dispensa a salvação por intermédio dos sacramentos, não teve o apoio de Lutero. Ele considerava a igreja como a comunhão espiritual daqueles que crêem em Cristo,e restabeleceram a idéia escriturística do sacerdócio de todos os crentes. Ele defendia a unidade da igreja, mas distinguia dois aspectos dela, um visível e outro invisível. Ele teve o cuidado de assinalar que não existem duas igrejas, mas simplesmente dois aspectos da mesma igreja. A igreja invisível torna-se visível não pelo governo de bispos e cardeais,nem na chefia do papa, mas pela pura administração da Palavra e dos sacramentos. Lutero admitia que a Igreja visível sempre conterá uma mistura de membros fiéis e Ímpios. Contudo, em sua reação contra a idéia católica romana do domínio da Igreja sobre o estado, ele foi ao outro extremo e virtualmente sujeitou a igreja ao estado em tudo, menos na pregação da Palavra.

Os anabatistas não ficaram satisfeitos com a posição de Lutero e insistiam numa igreja só de crentes. Em muitos casos, eles zombavam da igreja visível e dos meios de graça.Além disso, exigiam completa separação de igreja e estado. Calvino e os Teólogos reformados estavam de acordo com Lutero quanto á confissão de que a Igreja é essencialmente uma Communio Sanctorum, uma comunhão de santos. Todavia, eles não procuravam,como os luteranos, a unidade e a santidade da Igreja primariamente nas ordenanças objetivas da igreja, tais como os ofícios, a Palavra e os sacramentos,mas sobretudo na comunhão subjetiva dos crentes. Ademais, encontravam as verdadeiras marcas da igreja, não somente na correta administração da Palavra e dos Sacramentos, mas também na fiel administração da disciplina na igreja. Mas, até mesmo Calvino e os Teólogos reformados do século dezessete fomentaram, em certa medida, a idéia da sujeição da igreja do estado. Contudo estabeleceram uma forma de governo da igreja que propiciava maior grau de independência e poder eclesiásticos que o que se conhecia na Igreja Luterana. Mas, enquanto que tanto os teólogos luteranos como os reformados(calvinistas) procuravam manter a relação apropriada entre a igreja visível e a invisível, outros perderam isto de vista.

Os socinianos e os arminianos do século dezessete, embora na verdade falassem de uma igreja invisível, esqueceram tudo que diz respeito à vida real. Os primeiros concebiam a religião Cristã simplesmente como uma doutrina aceitável e os últimos faziam da igreja primariamente uma sociedade visível e seguiam a igreja luterana no sentido de entregarem ao estado o direito de ministrar a disciplina, e de reterem para a igreja somente o direito de pregar o Evangelho e admoestar os membros da igreja. Por outro lado, os abadistas e os pietistas manifestaram a tendência de desconsiderar a igreja visível, procurando uma igreja só de crentes, mostrando-se indiferentes para com a igreja institucional com sua mescla de bons e maus e buscando santificação nos conventículos.


(b) Durante e Após o SÉCULO Dezoito.

Durante o século dezoito o racionalismo também fez sentir sua influência sobre a doutrina da igreja.
Era indiferente em matéria de fé e não tinha entusiasmo pela igreja,que ele colocou a par com outras sociedades humanas. até negava que Cristo tivesse a intenção de fundar uma igreja no sentido geralmente aceito da palavra. Houve uma reação pietista ao racionalismo no metodismo, mas o metodismo em nada contribuiu para o desenvolvimento da doutrina da igreja. Nalguns casos, ele procurou força na repreensão lançada às igrejas existentes, e noutros, adaptou-se à vida destas igrejas. Para Schleiermacher, a igreja era essencialmente a comunidade cristã, o corpo dos crentes animados pelo mesmo espírito. Ele via pouca utilidade na distinção entre a igreja visível e a invisível, e via a essência da igreja no espírito de companheirismo cristão.Quanto mais o Espírito de Deus penetrar a totalidade dos crentes cristãos, menos divisões haverá, e mais perderão elas a sua importância. Ritschl substituiu a distinção entre a igreja invisível e a visível pela distinção entre o reino e a igreja. Ele considerava o reino como a comunidade do povo de Deus que age motivado pelo amor, e a igreja como aquela mesma comunidade reunida para o culto. O nome igreja restringe-se, pois, a uma organização externa com a função única de cultuar e esta função apenas capacita os crentes a familiarizarem-se melhor uns com os outros. Isto certamente está longe do ensino do Novo testamento. Leva diretamente à concepção liberal moderna da igreja como um mero centro social, uma instituição humana, e não uma lavoura de Deus.

A Doutrina da Igreja Antes da Reforma

Posted by FrTutorial no Brasil
A Doutrina da Igreja Antes da Reforma.

(a)          No período patrístico - Pelos chamados pais apostólicos e pelos apologetas a igreja é geralmente apresentada como a Communio Sanctorum, o povo de Deus que Ele escolheu por possessão. Não se viu logo a necessidade de fazer distinções. Mas já na Segunda parte do século segundo houve uma mudança perceptível. O surgimento de heresias tornou imperativa a enumeração de algumas características pelas quais se conhecesse a verdadeira igreja católica. Isso teve a tendência de fixar a atenção na manifestação externa da igreja. Começou- se a conceber a igreja como uma instituição externa governada por um bispo como sucessor direto dos apóstolos e possuidor da tradição verdadeira. A catolicidade da igreja recebeu forte Ênfase. 

As Igrejas locais não eram consideradas como unidades separadas, mas simplesmente como partes
componentes da igreja universal una e única. O mundanismo e a corrupção crescentes nas Igrejas foram levando aos poucos a uma reação e deram surgimento à tendência em várias seitas, como o Montanismo em meados do segundo século, o novacianismo nos meados do terceiro e o donatismo no início do quarto, de fazer da santidade dos seus membros a marca da igreja verdadeira.

Os pais primitivos da igreja, assim chamados, ao combaterem esses sectários, davam ênfase cada vez maior à instituição episcopal da igreja. Cabe a Cipriano a distinção de ser o primeiro a desenvolver plenamente a doutrina da igreja em sua estrutura episcopal. Ele considerava os bispos como reais sucessores dos apóstolos e lhes atribuía caráter sacerdotal em virtude da sua obra sacrificial. Juntos os bispos formavam um colégio, chamado episcopado, que, como tal, constituía a unidade da igreja. Assim, a unidade da Igreja estava baseada na unidade dos bispos.

Os que não se sujeitavam ao bispo perdiam o direito à comunhão da igreja e também à salvação, desde que não há salvação fora da igreja. Agostinho não foi totalmente coerente em sua concepção da igreja. Foi sua luta com os donatistas que o compeliu a refletir mais profundamente sobre a natureza da igreja. De um lado, ele se mostra o predestinacionista que concebe a igreja como a companhia dos
eleitos, a communio sanctorum, que têm o Espírito de Deus e, portanto, são caracterizados pelo amor verdadeiro. O importante é ser membro vivo da igreja assim concebida, e não apenas pertencer a ela num sentido meramente externo. Mas, de outro lado, ele é o homem de igreja, que adere à idéia da igreja defendida por Cipriano ao menos em seus aspectos gerais.

A igreja verdadeira é a igreja católica, na qual a autoridade apostólica tem continuidade mediante a sucessão episcopal. É depositária da graça divina, que ela distribui por meio dos sacramentos. Esta igreja é, de fato, um corpo misto, no qual têm lugar membros bons e maus. Em seu debate com os donatistas, porem,Agostinho admitia que aqueles e estes não estavam na igreja no mesmo sentido. Ele preparou também o caminho para a identificação católica romana da igreja com o reino de Deus.

(b)          Na Idade Média - Os Escolásticos não tinham muito que dizer acerca da igreja. O sistema de doutrina desenvolvido por Cipriano e Agostinho estava completo, e precisava apenas de uns pequenos re-toques de acabamento para chegar ao seu desenvolvimento final. Hugo de S. Victor fala da igreja e do estado como os dois poderes instituídos por Deus para governarem o povo. Ambos são de constituição monárquica, mas a igreja é o poder superior, porque ministra a salvação dos homens, ao passo que o Estado só providencia o seu bem-estar temporal.

O rei ou imperador é o chefe do estado, mas o papa é o chefe da igreja. Há duas classes de pessoas na igreja, com direitos e deveres bem definidos:os clérigos dedicados ao serviço de Deus, que constituem uma unidade; e os leigos, que consistem de pessoas de todas as esferas da vida e que constituem uma classe totalmente separada. Passo a passo a doutrina do papado foi-se desenvolvendo,até que, por fim, o papa se tornou virtualmente um monarca absoluto. 

O crescimento desta doutrina foi auxiliado, em não pequena medida, pelo desenvolvimento da idéia
de que a igreja católica era o reino de Deus na terra, e, portanto, o bispado romano era um reino terreno. Esta identificação da igreja visível e organizada com o reino de Deus teve conseqüência de longo alcance: 1- Exigia que tudo fosse colocado debaixo do poder da igreja: o lar e a escola, as ciências e as artes, o comércio e a indústria, e tudo mais. 2 - Envolvia a idéia de que todas as bênçãos da salvação chegam ao homem unicamente por meio das ordenanças da igreja, em particular,mediante os sacramentos. 3 - Levou á



gradual secularização da Igreja, visto que esta começou a dar mais atenção à política do que à salvação dos pecados e, finalmente, os papas reivindicaram domínio sobre os governantes seculares também.

No velho testamento / No novo testamento.

Posted by FrTutorial no Brasil
No velho testamento.

O velho testamento emprega duas palavras para designar a igreja, a saber, qahal (ou kahal), derivada de uma raiz, qal (oukal) obsoleta, significando “chamar”, edhah, de ya’dah, indicar ou encontrar-se ou reunir-se num lugar indicado. Conseqüentemente, vemos ocasionalmente a expressão qehal edhah, isto é, à assembléia da congregação, (E x.: 12:6; Nm 14:5; Jr 26:17). Vê-se que, às vezes, a reunião realizada era uma reunião de representantes do povo (Dt 4:10;18:6 comp. 5:22,23; 1 Rs 8:1,2,3,5 ; 2 Cr 5, 2-6). Synagoge é a versão usual, quase universal, de edhah na Setuaginta, e é também a versão usual de, qahal no Pentateuco.Nos últimos livros da BÍBLIA (Velho testamento), porém, qahal È geralmente traduzida por ekklesia. Schuerer afirma que o judaísmo mais recente já indicava a distinção entre synagoge como designativo da congregação de Israel como uma realidade empírica, e ekklesia como o nome da mesma congregação considerada idealmente.

2. No novo testamento.

O novo testamento também tem duas palavras, derivadas da Setuaginta,quais sejam, ekklesia, de ek e Kaleo, chamar para fora, convocar, e synagoge, de syn e ago, significando reunir-se ou reunir. Synagoge é pregada exclusivamente para denotar, quer as reuniões religiosas dos judeus, quer os edifícios em que eles se reuniam par o culto público, (Mt 4:23 ; At 13:43;Ap 2:9 ; 3:9). O termo Ekklesia, porém, geralmente designa a igreja neotestamentária, embora nuns poucos lugares denote assembléias civis comuns,(At 19:32,39,4l).No novo testamento, Jesus foi o primeiro a fazer uso da palavra, e Ele a aplicou ao grupo dos que se reuniram em torno dele, (Mt 16:18),reconheceram-no publicamente como seu Senhor e aceitaram os princípios do reino de Deus. Mais tarde,como resultado da expansão da igreja, a palavra adquiriu várias significações. Igrejas foram estabelecidas em toda parte; e eram também chamadas Ekklesiai, desde que


eram manifestações da Igreja Universal de Cristo. A) Com muita freqüência a palavra ekklesia designa um circulo de crentes de alguma localidade definida, uma igreja local, independentemente da questão se esses crentes estão reunidos para o culto ou não. Algumas passagens apresentam a idéia de que se acham reunidos, (At 5:11 ;11:26 ; 1 Co 11:18 ; 14:19,28,35); enquanto que outras não (Rm 16:4 ; 1Co 16:1 ; Gl 1:2 ; 1 Ts 2:14, etc.B) Nalguns casos, a palavra denota o que se pode denominar ekklesia doméstica, igreja na casa de alguma pessoa. Ao que parece nos tempos apostólicos, pessoas importantes por sua riqueza ou por outras razões separavam em seus lares um amplo cômodo para o serviço divino. Acham-se exemplos deste uso da palavra em (Rm 6:23; 1Co 16:19; Cl 4:15 ; Fm 2).Finalmente, em seu sentido mais compreensivo, a palavra se refere a todo o corpo de fiéis, quer no céu, quer na terra, que se uniram ou se unirão a Cristo como seu Salvador.Este uso da palavra acha-se principalmente nas cartas de Paulo aos Ef e aos Cl, mais freqüentemente na primeira destas (Ef 1:22;3:10,21 ; 5:23-25,27,32 ; Cl 1:18,24).
.

A Trindade Santa

A palavra Trindade não é tão expressiva como a palavra holandesa Drieenheid, pois pode simplesmente denotar o estado tríplice (ser três), sem qualquer implicação quanto à unidade dos três. Geralmente se entende, porém, que, como, termo técnico na teologia, inclua essa idéia. Mesmo porque, quando falamos da Trindade de Deus, nos referimos a uma trindade em unidade,e a uma unidade que È trina.

1) As três pessoas consideradas separadamente a) O Pai, ou a Primeira Pessoa da Trindade.

o Nome Pai em sua aplicação a Deus. ( 1 Co 8:6 ; Ef 3:15; Hb 12:9 ; Tg 1:17 ; Dt32:6 ; Is 63:16 ; 64:8 ; Jr 3:4 ; Ml 1:6 ; 2:10; Mt 5:45 ; 6:6-15;Rm 8:16 ; 1 Jo 3:1 ; Jo 1:14,18; 5:17-26; 8:54 ; 14:12,13).
A primeira pessoa é o Pai da Segunda num sentido metafísico. Esta é a paternidade originária de
Deus, da qual toda paternidade terrena é apenas um pálido reflexo.

b) O Filho, ou a Segunda Pessoa da Trindade.

o Nome Filho em sua aplicação à Segunda pessoa. Á Segunda pessoa da trindade é chamado Filho ou Filho de Deus em mais de um sentido do termo. (Jó 1:14,18 ; 3; 16,18 ; Gl 4:4 ; 2 Sm 7:14 ; ; Sm 2:7 ; Lc 3:38; Jo 1:12 ; Jo 5:18 - 25 ; Hb 1. ; Mt 6:9 ;7:21; Jo 20:17 ; Mt 11:27 ; MT 26:63 ; Jo 10:36 ; Mt 8:29 ;26:63 ; 27:40 ; Jo 1:49 ; 11:27 ; 2 Co 11:31 ; Ef 1:3 ; Jo 17:3 ;1 Co 8:6 ; Ef 4: 5,6 ; Lc 1:32,35 ; Jo 1:13; Cl 1:15 ; Hb 1:6 ; Jô 1:1-14 ; 1 Jo 1;1-3 ; 2 Co 4:4 ; Hb 1:3 ; Jo 1:14,18 ; 3:16,18;1 Jo 4:9 ; Mq 5:2 ; Jo 1: 14,18 ; 3:16 ; 5:17,18,30,36; At 13:33; Jo 17:5 ; Cl 1:16 ; Hb 1:3 ; At 13:33 ; Hb 1:5 ; 2 Sm 7:14 ; Jô 5:26 ; Jo 1: 3,10 ; Hb 1: 2,3 ; Jo 1:9 ; Sl 40 :7,8 ; Ef 1:3 - 14.

c) O Espírito Santo, ou a Terceira Pessoa da Trindade.

O nome aplicado à terceira pessoa da trindade. (Jo : 4:24 ; Gn 2:7 ;6:17 ; Ez 37:5,6 ; Gn 8:1 ; 1 Rs 19:11 ; Jo 3:8 ; Sl 51:11 ; Is 63:10,11 ; Sl 71:22 ; 89:18 ; Is 10:20 ; 41:14 ; 43:3 ; 48:17 ;Jo 14:26 ; 16: 7 - 11; Rm 8:26 ; Jo 16:14 ; Ef 1:14 ; Jo 15:26 ;16:7 ; 1 Jo 1:1 ; Jo 14; 16-18 ; Rm 8:16 ; At 16:7 ; 1 Co 12:11; Is 63:10 ; Ef 4:30 ; Gn 1: 2 ; 6:3 ; Lc 12:12 ; Jo 15:26 ; 16:8; At 8:29 ; 13:2 ; Rm 8;11 ; 1 Co 2 : 10,11 ; Lc 1:35 ; 4:14 ; At 10:38 ; Rm 15:13 ; 1 Co 2:4.

A relação do Espírito Santo com as outras pessoas da trindade, são controvérsias trinitárias que levaram a conclusão de que o Espírito Santo, como o Filho, é da mesma essência do Pai e, portanto, é consubstancial com Ele. E a longa discussão acerca da questão, se o Espírito Santo procedeu somente do Pai ou também do Filho, foi firmada finalmente pelo SÍNODO de Toledo em 589, pelo acréscimo da palavra Filioque (e do Filho) à versão latina do Credo de Constantinopla : Credimus in Spiritum Sanctum que a PatreFilio que procedidit. (Cremos no Espírito Santo)), que procede do Pai e do Filho

Atributos Morais / A Bondade de Deus

Posted by FrTutorial no Brasil
Atributos Morais.

1- a) A Bondade de Deus.

(Mc10:18 ; Lc 18:18,19; Sl 36:9 ; Sl 145:9,15,16; Sl). (36:6 ; 104:21 ; Mt 5:45; 6:26; Lc 6:35; At 14:17). b) O Amor de Deus
(Jo 3:16 ; Mt 5:44; 45 ; Jó 16:27 ; Rm 5:8 ; 1 Jo 3:1). c) A graça de Deus.
Segundo a Escritura, é manifestada não só por Deus,mas também pelos homens, caso em que denota o favor de um homem a outro (Gn 33:8,10,18 ; 39:4;47:25 ; Rt 2:2; 1 Sm 1:18; 16:22). (Lemos em Ef1:6,7; 2:7-9 ; Tt 2:11 ; 3:4-7 ; Is 26:10 ; Jr 16:13 ;Rm 3:24; 2 Co 8:9 ; At 14:3; At 18:27; Ef 2:8 ; Rm3:24 ; 4:16; Tt 3:7 ; Jo 1:16 ; 2 Co 8:9 ; 2 Ts 2:16 ;Ef 2:8 ; e Tt 2:11).
d) A misericórdia de Deus.

pode se definir a misericórdia divina como a bondade ou amor de Deus e mostrado para com os que
se acham na miséria ou na desgraça, independentemente dos seus méritos. (DT 5:10 ; Sl 57:10; 86:5; 1 Cr 16:34; 2 Cr 7:6 ; Sl 136 ; Ed 3:11; 1 Tm 1:2 ;2 Tm 1;1 ; Tt 1;4 ; x 20:2 ; Dt 7:9 ; Sl 86:5 ; Lc1:50 ; Sl 145;9 ; Ez 18:23,32; 33:11; Lc 6:35,36).

2- A Santidade de Deus.

Sua idéia fundamental é a de uma posição ou relação existente entre Deus e uma pessoa ou coisa.(EX 15:11 ; 1 Sm 2:2 ; Is 57:15 ; Os 11:9 ; JÛ 34:10 ; At 3:14 ; Jo 17:11 ; 1Pe 1:16 ; Ap 4:8 ; 6:10).
3 - A Justiça de Deus.

A idéia fundamental de Justiça é a de estrito apego à lei. Geralmente se faz distinção entre a justiça absoluta de Deus e a relativa. Aquela È a retidão da natureza divina, em virtude da qual Deus È infinitamente reto em Si mesmo, enquanto que esta é a perfeição de Deus pela qual Ele se mantém contra toda violação da Sua Santidade e mostra, em tudo e por tudo, que Ele é o Santo. (Ed 9:15; Sl 119:137 ; 145:137; 145:17; Jr 12:1 ; Dn 9:14; Jô 17:25 ; 2 Tm 4:8 ; 1 Jo 2:29 ; 3:7 ; Ap 16:5 ; Dt4:8 ; Is 3:10,11; Rm 2:6; 1 Pe 1:17 ; Dt 7:9,12,13 ;2 Cr 6:15 ; Sl 58:11 ; Mq 7:20 ; Mt 25;21,34 ; Rm 2:7 ; Hb 11:26 ; Lc 17:10 ; 1 Co 4:7; Rm 1:32 ; 2:9; 12:19 ; 2 Ts 1:8 ; Lc 17:10,1 ; 1 Co 4:7 ; Jó 41:11).

5. Atributos de Soberania.

A soberania de Deus recebe forte ênfase na Escritura. Ele é apresentado como o Criador, e Sua vontade como a causa de todas as coisas. Em virtude de sua obra criadora, o céu, a terra e tudo o que eles contêm lhe pertencem.Ele está revestido de autoridade absoluta sobre as hostes celestiais e sobre os moradores da terra. (As provas bíblicas da soberania de De

são abundantes mas aqui nos limitaremos a referirmos a algumas das passagens mais significativas Cr 20:6 ; Ne 9:6 ; Sl 22:28 ; 47: 2,3,7,8 ; Sl 50:10-12 ; 95:3-5 ; 115 :3 ; 135 : 5,6 ; 145:11 -13 ; Jr 27:5 ; Lc 1:53 ; At 17:24-26; Ap 19:6).

Atributos de Deus


1. Atributos Incomunicáveis.

Salientam o Ser absoluto de Deus. Considerando absoluto como aquilo que é livre de todas as condições (ou Incondicionado ou Auto-existente), de todas as relações (o Irrelacionado), de todas as imperfeições (o Perfeito), ou livre de todas as diferenças ou distinções fenomenológicas, como matéria e espírito,ser e atributos, sujeito e objeto, aparência e realidade (O real, a realidade última). A. A existência Autônoma de Deus como o Ser auto-existente e independente que Deus pode dar a certeza de que permanecer• eternamente o mesmo, com relação ao seu povo.


Encontram- se indicações adicionais disso na afirmação presente em (Jo 5:26). Na declaração de que
ele é independente de todas as coisas e que todas as coisas só existem por meio dele (Sl 94:8s.; Is 40:18 s.; At 7:25) e nas afirmações que implicam que Ele é independente em seu pensamento (Rm 11:33,34) em sua vontade (Dn 4:35 ; Rm 9:19; Ef 1:5 ; Ap 4:11) em seu poder (Sl 115:3, e em seu conselho (Sl 33:11).

B. A Imutabilidade de Deus.


Em virtude deste atributo, Ele È exaltado acima de tudo quanto há, e é imune de todo acréscimo ou diminuição e de todo desenvolvimento ou diminuição e de todo desenvolvimento ou decadência em seu ser e em suas perfeições.A imutabilidade de Deus é claramente ensinada em passagens da Escritura com (Ex 3:14 ; Sl 102:26-28 ; Is 41:4)); (48:12; Ml 3:6 ; Rm 1:23, Hb 1:11,12 ; Tg 1:17).

C.A infinidade de Deus.

1) Sua perfeição absoluta - O poder infinito não é um quantum absoluto, mas, sim, um potencial inexaurível de energia, e a santidade infinita não é um quantum ilimitado de santidade, mas, sim, uma santidade qualitativamente livre de toda limitação ou defeito. A prova bíblica disto acha-se em (Jó 11:7 - 10 ; Sl 145 : 3 ; Mt 5:48). 2) Sua eternidade- A infinidade de Deus em relação ao tempo é denominada eternidade- Sua eternidade. A forma em que a BÍBLIA apresenta a eternidade de Deus está nas passagens bíblicas de (Sl 90:2 ;102,12 ; Ef 3:21).3) Sua imensidade - A infinidade de Deus também pode ser vista com referência ao espaço, sendo, então, denominada imensidade. Em certo sentido, os termos imensidade e onipresença, como são aplicados a Deus, denotam a mesma coisa e, portanto, podem ser considerados sinônimos. A onipresença de Deus é revelada claramente na Escritura (1 Rs 8:27 ; Is 66:1 ; At 7:48,49 ; Sl 139:7-10 ; Jr 3:23,24 ; At 17:27,28).

D. A unidade De Deus.

1) Unitas Singularitatis - este atributo salienta a unidade e a unicidade de Deus, o fato de que Ele é
numericamente um e que, como tal, Ele é único. Provas BÍBLICAS comprovam com passagens de texto em (1 Rs 8:60 ; 1 Co 8:6 ;1 Tm 2:5). Outras passagens salientam, não a unidade, mas a sua unicidade (Dt 6:4, Zc 14:9, x 15:11). 2) Unitas Simplicitatis - quando falamos da simplicidade de Deus, empregamos o termo para descrever o estado ou qualidade que consiste em ser simples, a condição de estar livre de divisão em partes e, portanto, de composição. A perfeição agora em foco expressa a unidade interior e qualitativa do ser divino. A escritura não a afirma explicitamente, mas ela está implícita onde a BÍBLIA fala de Deus como justiça, verdade, sabedoria, luz, vida, amor, etc. E, assim, indica que cada uma destas propriedades, devido a sua perfeição absoluta, é idêntica ao seu ser.

2. Atributos Comunicáveis.

nos atributos comunicáveis que Deus se posiciona como Ser morais, conscientes, inteligentes e livres, como Ser pessoal normal elevado sentido da palavra.


A.           A Espiritualidade De Deus –


A BÍBLIA não nos dá uma definição de Deus.

O que mais se aproxima disso é a palavra dita por
Jesus á mulher samaritana: Deus È espírito, (Jo 4:24). Trata-se, ao menos, de uma declaração que visa dizer-nos numa única palavra o que Deus é. A idéia de espiritualidade exclui necessariamente a atribuição de qualquer coisa semelhante à corporalidade a Deus e, assim condena as fantasias de alguns dos antigos gnósticos e dos místicos medievais, e de todos os sectários dos nossos dias que atribuem o corpo a Deus. Atribuindo espiritualidade a Deus, podemos afirmar que Ele não tem nenhuma das propriedades pertencentes á matéria, e que os sentidos corporais não O podem discernir. Paulo fala dele como o Rei eterno, imortal, invisível (1 Tm 1:17), e como o Rei dos reis e Senhor dos senhores ; o único que possui imortalidade, que habita em luz inacessível, a quem homem algum jamais viu, nem é capaz de ver. A Ele honra e poder eterno. Amém. (1 Tm 6:15,16).

As Misericórdias de Deus / O que representa o nosso Corpo

quarta-feira, 22 de fevereiro de 2017
Posted by FrTutorial no Brasil
O Sacrifício diário do nosso corpo requer uma conduta; Rm 12.1-2
È este procedimento que a própria mente já renovada nos informa, é o que nos faz experimentar a boa, perfeita e agradável vontade de Deus. O apostolo coloca sua exortação na posição da misericórdia de Deus; ele não está fazendo uma simples apelação, está de forma imperativa, convocando-nos a um viver de forma Justa, fiel e santo.

1 As Misericórdias de Deus:

Esta palavra é natural da hebraica (hesed) que em português corresponde a (benignidade, amor firme, graça, fidelidade, bondade, devoção). Quanto a sua forma pode ser visto tanto como substantivo (hesed), como adjetivo(hãsîd ? que é derivado do substantivo(hesed) e é usado para descrever o israelita fiel.

Esta palavra é usada 240 vezes no Antigo Testamento, de forma especial nos salmos. Paulo usa esse
termo por sua grande importância dentro do vocabulário teológico e ético do Antigo Testamento. Quando traduzido para o grego ele recebe o nome de (eleos ? misericórdia), assim sendo o uso mais comum nos fala de:
Força ? Firmeza ? e Amor.

Deus é rico em misericórdia - Ef 2.4.
Ele proveu salvação a todos os homens ? Tt 3.5
Ele é compassivo para com os que o temem ? Lc 1.50
A misericórdia de Deus é o motivo pelo qual os Judeus não foram destruídos.

2 O que representa o nosso Corpo:

O nosso corpo como um todo, é o instrumento da vida, quer do homem vivo(Mt 6.22) quer do homem morto(Mt 27.52); ou na ressurreição(1Co 5.44).

A Bíblia diz que o nosso corpo é:

a) é uma casa ? 2Co 5.1.
b) é um vaso ? 2Co 4.7.
c) é um tabernáculo ? 2Pe 1.13.
d) é um templo ? 1Co 3.16.
e) é uma propriedade ? 1Co 6.19.
f) é um membro de Cristo ? 1Co 6.15.
g) é um cálice de ouro ? Ec 12.6

3 A transformação da nossa mente:

transformação é mudança; e esta mudança aqui descrita, é para elevação da condição humana. Deus tem todo prazer em resgatar o homem a condição superior na qual vivia Adão antes de cair em pecado. Para isso veio o Filho de Deus. Manifestado para destruir as obras de satanás.(1Jo 3.8).

a) Ez 18.21,22 - Deus convida o homem para a restauração, prometendo perdoar, e não lembrar de
seus pecados passados.
b) Ez 36.26-29 ? Deus em sua misericórdia promete a transformação do espírito, da alma, fazendo-os viver numa nova dimensão. Elevados a presença de Deus.(sacrifício vivo, santo e agradável).
c) Ez 37.12-14 ? Deus transforma o homem, ainda que ele esteja morto e sem esperança, como um osso sequíssimo.
d) Lc 19.8 ? a presença de Jesus na vida de Zaqueu, trouxe-se a Justiça, a paz e a alegria(ou seja O reino de Deus).
e) At 9.1-6 ? a transformação de Saul ? de perseguidor a pregador de Evangelho.

Com o sacrifício de si mesmo, Cristo tornou todo sacrifício de animais obsoleto. Hoje nós em nosso corpo, morto para o mundo, podemos chegar a presença de Deus e sermos por ele recebidos.

4 A vontade de Deus:

O Espírito de Deus não se une ao espírito que há no mundo, a saber, o que opera nos filhos da desobediência. A ostentação humana reflete a desarmonia com Deus. Somente transformado o homem, adquire a possibilidade de experimentar a vontade de Deus em seus vários aspectos:

a) A boa vontade de Deus ? reflete um aspecto de submissão e abnegação ? devemos ser submissos a Deus em todas as coisas.(2Co 12.9b)
b) Agradável Vontade de Deus ? a aquisição dos frutos do Espírito é o que agrada a Deus ? abster-se do mal, não se contaminar com o mundo ? são coisas do agrado de Deus ? o que ele gosta em nós.(Ef 5.10)
c) Perfeita vontade de Deus: o real sentida da sua vontade. A sua vontade absoluta e inerrante. Nele não há mudança nem sobra de variação, ele é reto e verdadeiro.

Conclusão:

Não podemos morar neste mundo pensando que somos parte dele, pois não o somos. Não devemos nos conformar com esta era, não somos daqui, somos de lá e é para lá que iremos. Mesmo morando neste mundo devemos viver como herdeiros do reino, forasteiros aqui, hospedados aqui, mas herdeiros do mundo vindouro a glória que há de ser manifestada aos santos.

Transformemo-nos pela renovação da nossa mente, andemos em Cristo e primemos as obras do reino.


Obs: envie-me uma mensagens caso este pequeno estudo o ajude em sua vida e da igreja aos seus cuidados pastorais





Que Deus existe / Ele se revelou em Sua Palavra Divina

terça-feira, 21 de fevereiro de 2017
Posted by FrTutorial no Brasil
1º INTRODUÇÃO A TEOLOGIA
 (Doutrina de Deus) INTRODUÇÃO

As obras de dogmática ou de Teologia Sistemática geralmente começam com a Doutrina de Deus. Há boas razões para começar com a Doutrina de Deus, se partirmos da admissão de que a Teologia é o conhecimento sistematizado de Deus de quem, por meio de quem, e para quem são todas as coisas. Em vez de surpreender-nos de que a dogmática começa a Doutrina de Deus, bem poderíamos esperar que fosse completamente um estudo de Deus, em todas as suas ramificações do começo ao fim.
Iniciamos o estudo de Teologia com duas pressuposições, a saber:


(1)    Que Deus existe ;
(2)    Que BÍBLICA da existência de Deus.Para nós a existência de Deus é a
Ele se revelou em Sua Palavra Divina.· Prova

grande pressuposição da teologia, não há sentido em falar-se do conhecimento de Deus, senão se admite que Deus existe. Embora a verdade da existência de Deus seja aceita pela fé, esta fé se baseia BÍBLIA não prova a existência de Deus. O que mais se aproxima de uma declaração talvez seja o que lemos em Hebreus 11:6: A BÍBLIA pressupõe a existência de Deus em sua declaração inicial, No principio criou Deus os céus e a Terra. Vê-se Deus em quase todas as páginas da Escritura Sagrada em que Ele se revela em palavras e atos. Esta revelação de Deus constitui a base da nossa fé na existência de Deus, e a torna uma fé inteiramente razoável. Deve-se, notar, que é somente pela fé que aceitamos a revelação de Deus e que obtemos uma real compreensão do seu conteúdo. Disse Jesus, Se alguém quiser fazer a vontade dele conhecer· a respeito da doutrina, se ela é de Deus ou se eu falo por mim mesmo (Jô 7:17). É estes conhecimentos intensivos, resultantes da intima comunhão com Deus, que Oséias tem em mente quando diz, Conheçamos, e prossigamos em conhecer ao Senhor, (Oséias 6:3).

 O incrédulo não tem nenhuma real compreensão da Palavra de Deus. As Palavras de Paulo são muito pertinentes nesta conexão: Onde está o sábio ?Onde o escriba ? Onde o inquiridor deste século ? Porventura não tornou Deus louca a sabedoria do mundo ? Visto como, na sabedoria de Deus, o mundo não o conheceu por sua própria sabedoria, aprouve a Deus salvar os que crêem, pela loucura da pregação (1 Co 1:20,21).
numa informação confiável. O Cristão aceita a verdade da existência de Deus pela fé. Mas esta fé não é uma fé cega, mas fé baseada em provas,e as provas se acham, primariamente, na Escritura como a Palavra de Deus inspirada,e, secundariamente, na revelação de Deus na natureza. Nesse sentido a


I. Relação do Ser e dos Atributos de Deus. 

O Ser de Deus. É evidente que o Ser de Deus não admite nenhuma definição científica. Uma A BÍBLIA nunca opera com um conceito abstrato de Deus, mas sempre O descreve como o Deus vivente, que entra em várias relações com as suas criaturas, relações que indicam vários atributos diferentes. 
definição Genético-sintética assim, não se pode dar de Deus, visto que Deus não é um dentre várias espécies de deuses, que pudesse ser classificado sob um gênero único. No máximo, só é possível uma definição analítico-descritiva. Esta simplesmente menciona as características de uma pessoa ou coisa, mas deixa sem explicação o ser essencial. E mesmo uma definição dessas não pode ser completa, mas apenas parcial, porque é impossível dar uma descrição de Deus positiva exaustiva. (Como oposta a uma negativa).

Sua essência em (Pv 8:14), a natureza de Deus em (2 Pe 1:4). Outra passagem repetidamente citada como contendo uma indicação da essência de Deus, e como a que mais se aproxima de uma definição na BÍBLIA È (Jo 4:2) Deus È espírito, e importa que os seus adoradores o adorem em espírito e em verdade. O ser de Deus é caracterizado por profundidade, plenitude, variedade, e uma glória que excede nossa compreensão e a BÍBLIA apresentam isto como um todo glorioso e harmonioso, sem nenhuma contradição inerente. E esta plenitude de Deus acha expressão nas perfeições de Deus, e não doutra maneira. 
Da simplicidade de Deus segue-se que Deus e Seus atributos são um. Comumente se dizem Teologias que os atributos de Deus são o próprio Deus, como Ele se revelou a nós. Os escolásticos acentuavam o fato de que Deus È tudo quanto Ele tem. Ele tem vida, luz, sabedoria, amor, justiça, e se pode dizer com base na Escritura que Ele È vida,luz, sabedoria, amor, justiça. Os escolásticos afirmavam ademais,que toda a essência de Deus É idêntica a cada um dos atributos, de modo que o conhecimento de Deus, È Deus, a vontade de Deus, È Deus, e assim por diante alguns deles chegaram mesmo a dizer que cada atributo È idêntico a cada um dos demais atributos, e que não existem distinções lógicas em Deus.

Welcome to My Blog

Seus estudo Aqui !!!

Seus estudo Aqui !!!
Mande Por Email Pessoal !!
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

::::: Radio Nova Adoração ::::

AJUDE NOS AQUI POR FAVOR !

AJUDE NOS AQUI POR FAVOR !

{ RECADINHO RÁPIDO }








Arquivo do Sites

NOVO 30/5/2013










- s; ESTUDO POSTAGEM PROFÉTICA -Missionario Francisco-Missionaria Fatima Blogger - Designed Fra e Fati Somos Uma Familia Missionaria -