Posted by : FrTutorial no Brasil terça-feira, 7 de julho de 2015

O VASO DE ALABASTRO.

 A passagem é descrita unicamente no Evangelho de Lucas, capitulo 7, versos 36 a 50. Uma mulher sem nome, que entrou para história por ter ungido os pés do Mestre Jesus, enquanto lágrimas desciam de seu rosto, misturando-se ao óleo, ao que ela carinhosamente enxugava com seus cabelos. A tradição diz que essa mulher era Maria Madalena, mas não há comprovação de que realmente seja. Muitos, ainda, dizem que a mulher seria a mesma de Marcos 14:3-9, Mt 28 e João 12-1-8. E por muito tempo, também pensei dessa forma, até estudar cuidadosamente e sem sombra de dúvida, constatar que Maria, irmã de Lázaro que ungiu a cabeça e o corpo de Jesus, em um jantar em Betânia, profetizando sua morte, nada tem a ver com a prostituta arrependida de Lucas 7. A semelhança está no ato de Maria, também ter ungido os pés de Jesus e enxugado com seus cabelos. Quando fez isso, estava em casa de Simão, o leproso, pai de Judas Iscariotes. A mulher , chamada de prostituta, estava em casa de um fariseu, coincidentemente, também chamado de Simão. Se dissermos que as passagens falam da mesma mulher, então estaremos afirmando que Maria, irmã de Lázaro (o ressuscitado) era prostituta, o que não procede.


Mas deixemos a identidade da mulher em oculto, seu nome e sua parentela talvez nem dissesse quem
de fato ela era. O encontro que teve com Jesus, esse sim definiu toda sua vida e marcou uma nova identidade. Nem diria “nova identidade”, mas a que se havia perdido, pelas escolhas que fizera, pelos caminhos que andava, enfim pela vida que levava. Ao arrepender-se, ela torna-se aquilo que Deus idealizou para ela. Uma mulher livre, capaz de andar em qualquer lugar de cabeça erguida, de testemunhar sobre ser “nova criatura em Cristo Jesus” II Cor 15:17. Essa mulher disse muito, sem dizer uma palavra! Seus gestos foram capazes de despertar a atenção de Jesus e de fazer com que Ele a recebesse em Seu Reino, dizendo as mesmas palavras que disse a mulher que fora curada do fluxo de sangue: “ A tua fé te salvou, vai em paz”. E esse "salvou" no grego é “sozo” (stong 4982) : sarar, preservar, manter seguro, resgatar do perigo. Uma palavrinha tão pequena, com tão grandes significados! Em algumas culturas “sozo” simplesmente se traduz como: “dar uma nova vida”, “trocar o coração”, aleluia! Assim Jesus disse: Vai mulher, estás segura do perigo, livre da morte eterna, sarada, preservada, com nova vida, novo coração! Onde mais encontraríamos tão grande conforto e refrigério?


A pecadora que ungiu os pés de Jesus, adentrou na casa do fariseu Simão sem ser convidada e discreta e silenciosamente se agachou junto aos pés de Jesus. Abriu seu pequeno frasco de alabastro (feito de gesso ou semelhante) e derramou suavemente o óleo sobre a pele de Jesus, espalhou com as mãos e recostou sua cabeça juntinho a Ele, especialmente sua face molhada de lágrimas que caiam incessantemente. E quando já não podia enxugar os pés do mestre , pois mãos e rosto estavam bem molhados, ela usa os cabelos como se fosse um lenço. Que bela cena! Quanta gentileza e amor de Jesus por não se sentir incomodado com a ação. Pelo contrário, Ele compreende perfeitamente a grandeza de cada gesto, o significado de cada lágrima, o deslizar do óleo que simbolizava exatamente o bálsamo curador da alma daquela mulher, outrora tão desprezada e infeliz! Óleo ajuntado sob lágrimas de arrependimento. Jesus estava no coração daquela mulher, que já não era pecadora, pois estava ali, implorando perdão. Suspirando por misericórdia. Ela viu em Jesus o amor que não havia visto em nenhum outro lugar. Cansada de tantos relacionamentos e homens carnais, ela enfim encontrara descanso, um lugar para deixar o pesaroso jugo e seguir em frente.

Texto básico: Estando Jesus em Betânia, reclinado à mesa na casa de certo homem conhecido como Simão, o leproso, achegou-se dele uma mulher portando um vaso de alabastro contendo valioso perfume, feito de nardo puro; e, quebrando o alabastro, derramou todo  o bálsamo sobre a cabeça de Jesus. Diante disso, indignaram-se alguns dos presentes, e a criticavam entre si: Para que este desperdício de tão valioso perfume? Um bálsamo como este poderia ser vendido por trezentos denários, e o dinheiro ser doado aos pobres. E a censuravam severamente. Deixa-a em paz! ordenou-lhes Jesus. Por que causais problemas a esta mulher? Ela realizou uma boa ação para comigo. Quanto
aos pobres, sempre os tendes ao vosso lado, e os podeis ajudar todas as vezes que o desejardes, todavia a mim nem sempre me tereis. A mulher fez tudo que estava ao seu alcance. Derramou o bálsamo sobre mim, antecipando a preparação do meu corpo para o sepultamento. Com toda certeza eu vos asseguro: onde quer que o evangelho for pregado, por todo o mundo, será também proclamado a obra que esta mulher realizou, e isso para que ela seja sempre lembrada. Mc.14.3-9.

Introdução: Este episódio narrado pelos evangelistas, Mateus, Marcos e João, aconteceu antes da festa da Páscoa, segundo os estudiosos da bíblia, as celebrações da Páscoa em Jerusalém reuniam cerca de três milhões de pessoas. A conhecida festa dos pães asmos ou festa dos pães sem fermento ocorria logo após a Páscoa e durava sete dias. Ao narrar este episódio, Marcos se refere a "alguns dos presentes" (Mc.14.4), Mateus concentra-se nos "discípulos" (Mt.26.8) e João destaca a participação avarenta e comprometedora de "Judas Iscariotes" (Jo.12.4,5). A mulher que realizou esta nobre atitude em quebrar o vaso de alabastro era Maria, irmã de Marta e Lázaro (Jo.12.1-8). O alabastro era um frasco lacrado, de gargalo longo, que continha valioso perfume, normalmente usado na unção de personalidades notáveis da época ou no preparo de mortuário de monarcas e pessoas ricas.
Marta servia e Lázaro era um dos que estavam à mesa com ele. Naquela época  as pessoas não sentavam à mesa à nossa semelhança. Elas deitavam em uma espécie de sofá e apoiava-se em um dos braços enquanto comia com o outro, diante de uma mesa em forma de “U”. A uma mulher não era honroso participar desse evento exceto se estivesse a servir a mesa.
Enquanto ele estava à mesa, Maria quebrou o vaso de alabastro e ungiu os pés de Jesus e os enxugou com os seus cabelos; e a casa inteira ficou cheia com o perfume do bálsamo. Pôs-se a derramá-lo sobre a cabeça de Jesus. À semelhança da mulher da pecadora de (Lc.7.36-50), Maria ficou por trás, aos pés do Senhor. Ao que parece, ela começou o seu gesto para com Jesus pelos seus pés e posteriormente pela cabeça. Beijar, Lavar os pés e ungir a cabeça de um convidado quando de sua chegada, era uma cortesia oferecida pelo anfitrião aos convidados considerados ilustres. Quando Maria entra no recinto torna-se objeto da reprovação daqueles que ali estavam. Uma mulher, a partir de seu casamento, não mostrava cabelos em público, assim faze-lo era motivo de vergonha. Maria começou a derramar o perfume sobre os pés de Jesus, possivelmente empoeirados do caminho, e soltou seus cabelos passando a enxugar-lhe os pés com eles. Maria expressou uma atitude de gratidão, humildade, adoração e reconhecimento do Senhorio de Cristo. Essa também deve ser a atitude daqueles que confessam Jesus, como Senhor e Salvador.

AS ATITUDES DE MARIA EM RELAÇÃO A JESUS:

Maria demonstrou ter um grande sentimento por Jesus.
Maria entregou-se totalmente e fez o que podia visando adorar Jesus.
Maria Entregou o que tinha de maior valor.
Maria Ousou quebrar com o costume do povo.
Maria Expôs-se à reprovação popular.
Maria Expressou sua adoração a Cristo.
Maria Humilhou-se aos seus pés.
Maria fez um ato de gratidão e reconhecimento da grandeza de Cristo.
Maria O exaltou ungindo sua cabeça.
Maria profetizou, ainda que sem perceber, a morte de Jesus.

A REAÇÃO DO PÚBLICO:

-Judas mobiliza os presentes por interesse pessoal.
Porque não se vendeu este perfume por trezentos denários para dá-los aos pobres? Havia uma prática
popular de na festa da Páscoa ajudar os pobres com esmolas. Por tanto, a colocação de Judas parecia ter um certo sentido apesar da legitimidade da ajuda. Mas o que motivara sua caridade não era a necessidade dos pobre mais sim um motivo pessoal, a sua cobiça por dinheiro.
-Os discípulos, influenciados por Judas, ficaram indignados e começaram a reclamar.
-Aborreceram e desprezaram a mulher.
-Maria recebeu reprovação popular.

A APROVAÇÃO DE JESUS:

Maria foi defendida por Jesus.
Maria foi louvada por Jesus.
Maria praticou uma boa ação e foi elogiada por Jesus.
Sua ação foi percebida por todos e Jesus disse que Maria será lembrada sempre, em todo o lugar.


CONCLUSÃO: O nosso vaso de alabastro precisa ser quebrado. O vaso de alabastro representa nossa vida sendo quebrada e derramada na presença de Jesus. Não importa as criticas e nem as reprovações das pessoas, em relação a nossa atitude diante de JESUS, assim como Maria quebrou o vaso de alabastro, que continha um perfume caríssimo; da mesma maneira nós devemos nos derramar diante Dele, com toda devoção, em adoração, humildade e reconhecimento de sua grandeza e majestade. Amém!

DEIXE SEU COMENTÁRIO !!!

Atenção:

Faça seu comentário dentro do assunto tratado acima;
Não divulgue endereço(s) de Sites ou Blogs;
Comentário que conterem divulgação serão moderados, somente serão aceitos links caso necessite de informar alguma fonte;
Proibido Spans;
Não faça Comentários Ofensivos, Ameaças, ou Termos preconceituosos.

OPINE, DÊ SUA SUGESTÃO, CONTATO, DÚVIDAS ETC. OBRIGADO DESDE JÁ !!!

Inscrever-se para Posts | Subscrever Comentários

Welcome to My Blog
Nossa Pagina no Facebook

Seguidores

internet explorer 11

Seus estudo Aqui !!!

Seus estudo Aqui !!!
Mande Por Email Pessoal !!
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

::::: Radio Nova Adoração ::::

AJUDE NOS AQUI POR FAVOR !

{ RECADINHO RÁPIDO }








NOVO 30/5/2013










- s; ESTUDO POSTAGEM PROFÉTICA -Missionario Francisco-Missionaria Fatima Blogger - Designed Fra e Fati Somos Uma Familia Missionaria -